14 de ago de 2009

Ao Maico, escrito em 08/03/1979



Quisera transformar-me em um pássaro invisível
e entrar em teus sonhos enquanto dormes, meu filho.
Quisera conhecer teu sono por dentro,
viajar com teus passos, tua alma.
Quisera zelar por teu espírito,
no momento em que ele deixa o teu corpinho lindo,
a repousar na cama de minha casa.
Quisera caminhar contigo por céus e estrelas
e a ti eu mostraria o mais lindo caminho de nuvens.
Quisera poder, no céu, defender-te de todos os perigos.
Quisera sim, estar sentada em tua cama
quando tu acordasses,
beijar-te e ao teu primeiro sorriso,
dizer-te sem medo:
- Vá, meu filho!
A vida te espera e Deus te acompanha.


*


Nenhum comentário:

Postar um comentário