8 de fev de 2011

BATENDO PAREDES. música: Sergio Castro / letra: Marilia Barbosa


Bêbada, a escuna-
vagava entre vagas - memórias
e cada árvore brincava solta
ao derredor.
Trôpega - a bêbada -
perdia-se nas datas, nas horas
e a cada plano que fazia, tudo via
em esplendor.
Tôla - já não mais criança,
trocava pernas e penas
dores - dezenas, batendo paredes,
pedindo socorro...
Vira copos, e sai avião,
obsoleto, em horas de vôo...

Um comentário: