9 de fev de 2011

SOBRE A DEPRESSÃO.


Dizem que é genético, a depressão.

E o que importa se é ou não?

Minora? abranda? Suaviza? Resolve?

Teorizam e ganham dinheiro prá isso,

inventam remédios que já tomei,

discursos que já ouvi...

Descubro hoje que há um tempo

em que vemos a depressão,

outrora sentida, ressentida, doída:

É na maturidade, onde até

a própria depressão amadurece

e prepara-se como um sacerdote

a professar os ritos, as orações,

os gestos...

Repete-se cruel e impiedosa,

pois já não vemos no espelho

o futuro que desconhecemos,

ainda travestido de esperança.

Nua e crua, senta-se na melhor cadeira,

deita-se na rede,

dorme na cama,

toma o café da manhã

e anoitece...

2 comentários:

  1. querida Marilia,
    sei do que vc fala/escreve...
    tenho me perguntado até que ponto nós não ficamos alimentando esta figurinha infeliz que insiste em nos acompanhar... Ela está por perto sempre, como uma gripe disponível a qualquer hora com a friagem de uma janela aberta num peito quente...quando mais jovens não temos tempo prá dar atenção à ela, e agora qdo os assuntos diminuem ficamos mais disponíveis... por isso corro, invento e crio novos pensamentos.. fujo dela mais do que o diabo da cruz... mudo de cidade, corto o cabelo, busco novos interesses,encontro algum programa novo na internet... xô depressão... bjs e um bom dia !!

    ResponderExcluir
  2. Marília,
    Já está na hora de você entrar para os "Poetas del Mundo"; para os "Confrades da Poesia" e para a "AVBL - Academia Virtual Brasileira de Letras" e pensar em lançar um livro só com suas poesias que são ótimas. Pense nisto e me fale que eu te encaminho. Beijão do Dirceu!

    ResponderExcluir